Coletor de Escapamento


Bom dia

Uma das formas mais utilizadas para dar um up no desempenho do carro é um coletor de escapamento dimensionado. Normalmente são utilizados os famosos 4×1 onde ocorre uma melhora do fluxo de gases da saída do motor até o final do escapamento.

2015-04-04 16.46.40

Recentemente montei no Lancer o escapamento 4x2x1 que diferente do coletor 4×1 ele dá mais performance “de final” enquanto o 4×1 dá mais força na arrancada.

Cada pessoa tem uma necessidade diferente, eu optei pela performance maior na final porque dá para aproveitar mais o carro em pistas de track day ou até mesmo uma ultrapassagem em rodovia.

O custo aproximado de um coletor de escapamento varia em R$ 800 até R$ 2500, a mudança do preço pode variar de acordo com o carro e de acordo com o material utilizado. O Aço Inox é o melhor material porque ele não acumula tanto calor quanto o Aço Carbono e como todos nós sabemos o calor é inimigo mortal de boa performance.

Por isso carros turbinados necessitam de intercoolers e diversos outros itens para diminuir a temperatura do cofre do motor. O Carbono é muito mais barato do que o Inox, mas ele tem alguns contras e são eles: Maior acúmulo da temperatura, tempo de vida limitado e necessidade de materiais adicionais para refrigerar a peça, tais como: Manta térmica e banho de cerâmica.

O Inox quando bem cuidado na teoria é uma peça para a vida toda, ele não enferruja e mesmo gasolina de péssima qualidade ele não corrói, por isso projetos especiais de escapamento são feitos de Aço Inox.

2015-04-04 16.47.03

Todos os carros possuem o coletor de escapamento, carros “normais” não são dimensionados buscando performance, são apenas um link entre a saída de gases do motor para o escapamento. O dimensionado quer dizer que ele possui um desenho que facilita a saída dos gases e isso faz com que o carro tenha um rendimento melhor, porque os gases saem com mais facilidade do motor.

Um ganho estimado na instalação de um coletor é algo em torno de 8cv a 15cv de potência. O bom do coletor dimensionado é que é uma peça encaixada (não necessita de solda nem nada parecido) e com o tempo você pode vender essa peça, quando inox a desvalorização é menor, porque depois de limpo a peça não perde nenhuma qualidade.

Um detalhe importante, o ronco do motor fica mais encorpado, quando você tem um silencioso esportivo verá que a diferença fica ainda maior.

Obrigado

Vergonha de ser Brasileiro


Boa noite,

Nas últimas semanas estamos vendo essa terra de merda nação ser afundada cada vez mais, preço do combustível tornando-se inacessível para grande parte da população, crise hídrica na maior capital do Brasil, desmatamento na Amazônia alcançou um nível record registrado, desencadeando diversos efeitos no clima em uma escala global.

Grandes empresas como a Petrobrás envolvidas em escândalos de corrupção junto ao Governo Federal é apenas uma das notícias mais “recentes” que temos vistos por aqui. Diante toda essa bagunça que chamamos de política como que podemos ter orgulho de ser Brasileiro?

O dinheiro público sustentando um monte de imbecis, os programas sociais do governo Só aumentam a cada ano a adesão, deveria ser o contrário, se o país está evoluindo a quantidade de pessoas que aderem aos programas sociais deveriam diminuir com o tempo, vemos que o % de adesão as bolsas do governo só aumentam e com isso vem a comodidade, pessoas deixam de trabalhar ou trabalham bem menos para poder ganhar o seu salário. Claro que existem pessoas que realmente necessitam desta renda para completar o sustento básico no final do mês, mas como todo “bom” brasileiro sempre damos um jeito de sair ganhando.

Fui encher o tanque do carro com Gasolixo e gastei quase R$ 200 dilmas, esse dinheiro é mais do que eu ganhava de salário a 14 anos atrás. Meu salário era de R$ 180 por Mês, trabalhando 25 dias, sofria para trabalhar, gastava pouco e ainda me divertia aos finais de semana, tempo onde dinheiro valia alguma coisa, hoje não vale nada, são somente números.

Quem consegue comprar uma casa na capital por menos de R$ 300mil? Moradia popular só se for, nenhuma casa boa em uma localização considerada razoável sai por menos de R$ 500mil ou para impressionar… MEIO MILHÃO, com esse dinheiro você compra algo e ainda terá que desembolsar com reforma, móveis e outras despesas de documentação…

E carro então? “Popular” custando R$ 50mil, acha mesmo que isso é um valor digno a ser pago em um automóvel zero? Quem financia então FODEU, pagará 2 carros no final do contrato. A diferença de um carro nacional para um carro importado em valores é mínima. Pensei que tendo fábrica no Brasil os produtos seriam mais acessíveis, veja os eletrônicos (celular por exemplo) nosso “Hiphone” é o mais caro do mundo e ele é NACIONAL.

Trabalhamos para viver ou vivemos para trabalhar?

Quem quer carro, casa e um mínimo de conforto terá uma parcela e um bloco de boletos para pagar até o resto da vida… até que ponto temos que conviver com isso? como resolver esse problema? Se o BR é um país rico e com recursos que podem sustentar a todos de forma digna, como fazer uma distribuição de renda adequada para que todos possam ter uma casa e carro na garagem?

A Forbes divulgou a lista dos bilionários e o Brasil caiu… antes haviam 60 e poucos na lista e hoje são 50 e uns quebrados na lista dos 1800 mais ricos do mundo. Como pode o Brasil ter tanto rico assim? Olhe para o lado e pergunte para algum amigo “você tem alguma dívida?” a cada 10 brasileiros 11 tem dívidas…. e vivemos para pagar elas ou então o juros “come” ou você perde, vira uma verdadeira bola de neve….

O BR virou um país de tantas corrupções que mesmo quem quer seguir as regras não consegue, porque a regra virou exceção… a todo momento vem uma proposta que fará você coçar a mão, estamos na época do Imposto de Renda, já viram quanto do seu salário fica na mão do Governo? e a vontade de fazer o “jeito” para restituir? ladrão que rouba de ladrão tem 100 anos de perdão? eu quero a minha fatia desse bolo, resgatar o IR para pagar IPVA e IPTU seria tirar de um lado e cobrir outro….

Desculpe o desabafo, mas está difícil, o da Gasolina e da Água foi foda…. e hoje a luz está mais cara em SP, não dá nem para usar um gerador porque o litro do combustível vale ouro, painel solar é caro e as outras opções não atendem…. vivemos em um país onde o básico virou luxo…. e vem a minha pergunta E AGORA?

 

Freios Fremax


Bom dia

Depois de participar de 1 track day com os freios originais, senti uma enorme necessidade de realizar um upgrade no conjunto, a começar pelos freios dianteiros que são sempre os mais exigidos.

Hoje no mercado existem diversas marcas de freios conceituadas, cada uma com a sua especialidade, para freios especiais decidi utilizar a marca Fremax que é a mesma marca utilizada pela Stock Car, claro que não optei pelos freios da Stock, mas só pelo fato da marca fornecer os freios para esta competição já quer dizer muita coisa.

Assim como os motores da Fórmula Indy são Honda já dá para ter uma ideia da tecnologia utilizada nas pistas e nos carros de rua. Os freios Fremax são nacionais, isso não é ruim, eu até gosto de produtos nacionais porque possuem um custo mais baixo e geram empregos em diversos segmentos.

FreiosFremaxEBC

Além disso não vou mandar importar um disco de freio e esperar alguns meses e ainda terei o risco de ser tarifado em um imposto abusivo, as pastilhas até concordo, pelo peso e tamanho dá para arriscar uma importação direta, mas os discos, mesmos os de alta performance que são mais leves que os tradicionais, ainda estes são pesados.

Os discos foram trabalhados pelo Peixoto Freios (em São Bernardo do Campo) e as pastilhas são EBC modelo Yellow que garantem excelente performance nas pistas e durabilidade na rua.

Gostei muito do resultado, frenagens precisas, pode pisar forte no disco mesmo na chuva que ele não empena, as pastilhas são ótimas resultado pelo menos 40% superior ao kit original.

 

Carro Importado x Nacional


Boa tarde

 

É comum vermos diversos carros globais nas ruas brasileiras, isso acontece por 2 motivos

  1. Boa aceitação do público de uma forma geral
  2. Redução nos custos de produção

A aceitação é algo relativo, porque ainda temos muito preconceito com determinadas marcas e modelos, mas para o lançamento de um carro global são realizados diversos estudos principalmente sobre os tipos de veículos mais vendidos no mercado nacional.

A redução de custo é um fato, quanto mais modelos iguais (ou semelhantes) forem produzidos maior é o poder de negociação em componentes importados. Um fornecedor global consegue um preço melhor em seus componentes quanto maior for a quantidade pedida.

De qualquer forma temos no Brasil alguns cenários bastante distintos

  • Carro nacional
  • Carro global
  • Carro importado
  • Carro nacionalizado

Mas o que difere cada um deles?

O carro nacional é um projeto criado especificamente no Brasil, são poucos, o melhor exemplo deles é o Ecosport que possui o design brasileiro compartilhando a engenharia já nacionalizada pela Ford. Como todo projeto mal planejado criaram uma versão “pé de boi” 1.0 para o jipinho da Ford. Vendeu, mas quem comprou se arrependeu amargamente principalmente quando precisava levar a sogra na praia no final de semana…

 

Carro Global

O carro global é o carro nacional que possui um projeto de fora, hoje em dia é mais comum este tipo de carro ser produzido nos países da América Latrina (devido a redução de alguns impostos) e são vendidos aqui no Brasil como carros nacionais, alguns exemplos desse tipo de carro é o Ford Fiesta (México) e Citroen C4 (Argentina).

 

Carro importado

O termo “carro importado” hoje, é aplicado para carros que são produzidos fora do Brasil e América Latrina.

Os carros coreanos (Kia e Hyundai) são os mais populares entre os carros importados. Quando um projeto de carro é flex (Kia Cerato por exemplo) o mesmo é adaptado no Brasil, mesmo porque não existe Etanol base cana de açúcar em nenhum outro lugar do mundo exceto o pais tupiniquim. Por isso que carros importados flex não são bons, não existe uma adaptação do carro completa, na grande maioria das vezes somente a parte eletrônica do carro é trabalhada, o que pode causar uma série de problemas no decorrer dos anos.

 

Carro nacionalizado

Com o sucesso de vendas ou estratégia da montadora, o carro acaba sendo nacionalizado. A cereja do bolo não fica para o cliente, mas sim para a montadora. Veja o caso do Lancer nacional… custa apenas R$ 1mil a menos do que o importado (Japonês). O problema do carro importado para a marca está na variação cambial, onde o dólar nunca se estabiliza e diminui a margem de lucro da montadora. Normalmente a tabela de preços de carros é ajustada somente na troca do ano ou na troca de modelo. Aumentar o preço do carro sem justificativa só faria o modelo vender menos.

O carro nacionalizado é estratégico, ele consegue manter mais facilmente a sua margem de lucro, o custo de produção é relativamente mais alto porque o custo de mão de obra, frete e seguro do carro são mais elevados.

 

Agora vamos aonde eu queria chegar, familiarizar você caro leitor para poder perguntar… Quando um carro é nacionalizado você acha que a qualidade do mesmo cai?

Alguns projetos são bem sucedidos para o nosso mercado, o Civic e o Corolla por exemplo. Além de estratégicos eles foram carros bem nacionalizados que cumprem bem com o papel deles, pelo mesmo valor qual carro você compraria (Nacional ou Importado) ? Qual país você não compraria?

 

Considerando que hoje os carros nacionais possuem boa qualidade no processo de montagem, o que será que nos difere dos modelos importados? porque é mais vantajoso ter um carro nacional? ou será que não é vantajoso?

Obrigado

Avaliações CM Pioneer AVIC-F960BT


Boa tarde,

Finalmente, depois de muita pesquisa adquiri uma central multimídia para o carro. Sempre fui fã de DVD Player para carros, principalmente porque garantem um entretimento maior dentro do carro.

No mercado nacional existem poucas opções de Centrais Multimídia o que difere uma das outras são:

Quantidade de interfaces (USB, Leitor DVD, Cartão SD, etc)

  • Resolução da Tela
  • Qualidade de Som
  • Qualidade da Tela

Acho que a CM (Central Multimídia) mais comum no mercado é a Caska, uma marca chinesa que possui inúmeras molduras e combinações de cores que uma vez instalada parecem realmente serem um produto OEM do carro.

Optei pela Pioneer porque estudei sobre os recursos de áudio e sei que a CM possui potencial para fazer um excelente projeto de som High End (que em 2015 espero poder compartilhar com vocês a minha ideia).

O preço tornou-se um atrativo, porque esta CM quando foi lançada em 2013 custa algo na casa de 3mil reais, hoje é possível encontrar a CM por 1.7k ou 1.8k em diversos lugares.

 

Falando sobre a Central ela tem uma tela que não deixa marcas de dedos, o tamanho dela é um pouco inferior as demais centrais chinesas 6.1 contra 7.0 na grande maioria, mas o tamanho é compensando graças a velocidade do toque da tela e do processador interno, por ela ser mais rápida no toque você até deixa passar o fato dela ser menor.

A Pioneer do Brasil me lembra a Philips a uns anos atrás, possui um excelente hardware com público fiel a marca, mas de uns anos para cá caiu tanto no conceito da galera que são poucos os projetos de som com equipamentos Pioneer. A Philips entrou no mercado de TV’s Smart com uma TV Single Core e fazia dela ter um péssimo tempo de resposta, o conjunto era bom, mas o processador era uma merda.

A Pioneer sempre teve um hardware bom e agora que entrou no mercado de centrais não possui qualquer suporte de software para atualização da central multimídia. Fico impressionado com a falta de suporte neste aspecto por parte da marca.

Não só a falta de suporte nas atualizações como manuais e a falta de informações claras no próprio site da Pioneer deixam a desejar, informações básicas do tipo modelo do GPS e software utilizado você não encontra no site. Um dos pontos fortes da Central que é o Mirror Link é um buraco negro, não se sabe se precisa comprar um cabo ou se o cabo USB que vem na Central já tem a função, ou ainda pior, não sei se para funcionar o Mirror Link precisa comprar algum módulo adicional.

Carente de informações mas com um bom conjunto físico a Central Multimídia da Pioneer será avaliada nos próximos dias.

 

Obrigado

Dia de Piloto 2


Boa tarde

No último dia 21/12 (domingo) tive a oportunidade de participar do primeiro track day na pista nova do autódromo de Interlagos. Como muitos sabem a pista foi totalmente reformulada, tendo como destaque a substituição total do asfalto, melhorando a aderência em no mínimo 300% (segundo a própria comissão organizadora do evento).

Novamente vou postar algumas dicas para aqueles que tem interesse em preparar o carro para track day – sim exige uma preparação mínima para que você possa se divertir com segurança.

As principais verificações são:

  • Pneus
  • Suspensão
  • Elétrica Geral
  • Freios Traseiros

Substituições obrigatória

  • Freios Dianteiros
  • Filtro de Ar
  • Óleo do Motor
  • Óleo do Câmbio
  • Alinhamento/Balanceamento

Não adianta pensar que os freios originais do seu carro irão segurar, porque a reta de Interlagos é longa, depois da subida dos boxes o carro ultrapassa facilmente a casa dos 170km/h (aspirado) ou 230km/h (turbo) e termina no S do Senna, ou seja são 2 curvas bastante fechadas, onde diversos carros rodam.

 

Acessórios do Piloto

  • *Capacete
  • Macacão
  • Luvas
  • Sapatilha

O capacete é o único item obrigatório para o piloto, provavelmente em 2015 o macacão passará a ser acessório obrigatório.

Se você possuir um jogo de rodas extras com pneus slick a diversão estará ainda mais garantida, de certa forma dá um pouco de dó de acabar com o pneu do dia-a-dia no track day, cada track-day condena o uso do pneu de 20% a 30% em algumas situações o pneu acaba ali mesmo, chegando no arame após a borracha.

Uma das vantagens em ter o macacão é que os macacões de piloto são anti-chamas (diferente dos macacões de kart) por isso o custo acaba sendo um pouco mais elevado e para algumas pessoas torna-se inviável a aquisição, principalmente se for para a participar somente 1 vez para “sentir o barato”.

Uma dica para quem procura por freios, o Peixoto Freios (localizado no ABC) tinha as peças para o meu projeto de freio e não adianta trocar os freios no dia ou muito próximo a corrida, porque existe um tempo mínimo (ou km) para os freios “se adaptarem” ao disco, ou seja, se você colocar o freio novo no dia e sair freiando com tudo no meio do dia estará praticamente sem freios… apenas no ferro.

O track day é legal, divertido, um pouco perigoso, principalmente para aquelas pessoas que pensam que track day é parecido com Gran Turismo ou Forza…

Algumas realidades

  • Você não gosta do seu carro – se gostasse não usaria ele desta forma
  • Investir em segurança é algo que só traz benefícios para você e para os demais
  • Não existe corrida contra os outros, apenas contra si mesmo
  • Não existem carros iguais
  • Não existem pilotos iguais
  • Jeito certo de condução é nunca mudar o seu traçado para facilitar
  • Ultrapassar somente na reta
  • Seu carro não aguenta 4 voltas seguidas
  • Você não aguenta 4 voltas seguidas
  • Para cada 1 volta lenta, faça 3 rápidas e pare nos boxes
  • Você não é profissional
  • Os outros não são profissionais
  • Você não tem patrocínio
  • Alguns tem patrocínio (risos)
  • Se o carro for do seu dia-a-dia não leve ele ao máximo
  • Respeite os seus limites
  • Respeite as regras
  • Seus amigos dirão que você é louco
  • Seus melhores amigos dirão que você é louco e foda
  • Seus familiares nunca entenderão
  • Sua família te xingará e jamais irão entender
  • Você será assunto do almoço por 2 no máximo 3 dias
  • Os adesivos no carro (número e nome da prova) são o máximo
  • Você deixará os adesivos por no mínimo 1 semana
  • Conheça o traçado
  • Seu co-piloto deverá conhecer o traçado melhor
  • Yoytube será sua escola, mas você não fará igual (e nem deve tentar)

Adesivos são legais, alguns eventos fazem adesivos muito bonitos, outros apenas o número no vidro do passageiro do lado do motorista.

800px-Autódromo_José_Carlos_Pace_(AKA_Interlagos)_track_map.svg

 

Reúna alguns amigos que gostem e tentem correr juntos, se você conhecer algumas pessoas “da mesma categoria” será uma experiência ainda melhor – clubes de carros sempre fazem algo parecido.

Infelizmente o track day em Interlagos ainda não é categorizado, ou seja, você estará na pista com carros com quase 1000cv e a grande maioria será turbinado com mais de 200cv.

Respeito ao indivíduo é o item mais importante, tentar fechar ou fugir do seu traçado normal é algo que poderá causar um acidente

Acredite… um acidente pode estragar a brincadeira.

 

No dia anterior a corrida

  • Durma cedo (quase impossível)
  • Alimente-se bem, dê preferência a produtos mais saudáveis, mesmo que você seja um fã de Burger King
  • Beba bastante líquido (água e suco sem açúcar)
  • Abasteça o carro com Podium e se possível um frasco de octane
  • Calibre os pneus com 37 libras, no final da primeira bateria eles estarão com 47 (mais ou menos)
  • Tenha em mãos um medidor de pressão que possibilite esvaziar o pneu
  • Não pense em ouvir música no dia, não grave CD ou Pen Drive com seu forró favorito, deixe isso para depois
  • Lave o carro (para sair bonito nas fotos)
  • Quando você encontrar algum fotógrafo faça uma volta lenta com os vidros abaixados (você aparecerá nas fotos – eu não fiz isso e me arrependo)

 

Junte dinheiro para a próxima

Boa sorte…

Obrigado

 

Renault Duster (1/3)


Boa tarde,

Na última semana, tive a oportunidade de dirigir pela primeira vez um SUV compacto, categoria inaugurada pela EcoSport e trouxe diversos outros modelos para o Brasil.

Essa categoria basicamente utiliza chassis de carros menores, com motores de cilindrada mais baixa do que as tradicionais SUV’s americanas. O diferencial está na altura da suspensão, que diferente das versões comemorativas (Fiat Adventure e VW Rallye) os carros que se encaixam nesta categoria possuem uma suspensão bem mais elevada com pneus normalmente configurados para uso misto (cidade/terra).

Desta vez, peguei para avaliar o Renault Duster 1.6 Dynamique, fiquei com o carro por 8 dias e rodei aproximadamente 2200km, passando por trecho urbano, estrada e rodovia.

 

Sobre a versão Dynamique.

Versão top da linha 1.6, ao todo são 10 versões do carro, sendo 6 versões 2.0 e 4 versões 1.6, variando entre AT e MT, com diversas opções de acabamento.

A versão 1.6 Dynamique possui todos os itens “normais” (vidros elétricos, ar condicionado, direção hidráulica, retrovisores elétricos, etc etc etc) o diferencial está na Central Multimídia da marca LG e o acabamento dos bancos que por sinal são bastante confortáveis.

O motor 1.6 é ótimo para a cidade, na estrada ele vai bem até a velocidade limite da pista, se houver necessidade de esticar um pouco, você sentirá as limitações (normais) do motor 1.6, de um modo geral o motor casou bem com o carro.

Provavelmente a versão 2.0 seja ideal para pessoas que andam com mais peso no carro, durante a utilização do carro a grande parte do uso foi sozinho, diria que uns 85% do uso do carro ele estava sub-utilizado, quando ao uso do motor e espaço interno.

 

Sobre o carro

1) Como motorista

O carro não possui todos os comandos na mão, ao entrar no carro não se vê facilmente os controles do retrovisor elétrico e também os comandos do áudio – que ficam atrás do volante.

Os comandos do retrovisor elétrico ficam debaixo do freio de estacionamento (de mão), normalmente ficam próximos aos comandos do vidro elétrico, quando estes ficam na porta do motorista. De qualquer forma não foi fácil localizar, principalmente porque eu peguei o carro a noite e só percebi que o retrovisor não estava 100% regulado quando comecei a dirigir e perceber os pontos cegos.

Os comandos de som, até hoje não usei todos os botões, é uma questão de amor e ódio, aprendi a usá-los usando. Ou seja foi na prática e na raça mesmo, com o carro em movimento fui apertando os botões sem medo e descobrindo para que servia cada botão.

O painel de instrumentos é simples, não posso dizer que é completo, mas faz o arroz com feijão bem feito. Não sei é aquele display no painel pode ser chamado de computador de bordo, com funções muito simples que eram novidades para carros fabricados nos anos 90, para um carro fabricado em 2014 eu esperava ter mais vida no painel, a cor do painel (aparentemente é a mesma dos Peugeot) entrega a idade do projeto, que embora seja um carro novo seu projeto utiliza referências muito antigas da Renault.

Configurar o computador de bordo diferente de outros carros fanceses é uma atividade que requer um pouco de paciência, até para regular a hora do painel é algo um pouco chato de ser feito. A Central multimídia por sua vez só me tirou as dúvidas que eu tinha sobre os produtos LG, que são baratos e que os sensores GPS são péssimos (comprei um celular LG G3 e me decepcionei quanto ao sensor GPS e a alta temperatura do conjunto).

A Central multimídia, garante o básico do entretenimento, o som possui bons graves/agudos, mas nada que surpreenda ou que mereça uma nota superior a 5/10.

O câmbio não possui qualquer traço de esportividade é simples, fácil de dirigir, as pessoas adoram esse tipo de câmbio, qualquer um pode dirigir o carro os engates são fáceis. Garante inclusive facilidade e agilidade para estacionar o carro.

O tamanho do carro engana bastante, quando se está dentro o espaço interno bem aproveitado dá a impressão de ser um carro grande, essa sensação foi a mesma que relatei sobre o Fiat Idea.

Os sensores de estacionamento são um mimo a parte, que ainda nos dias de hoje é vendido como item de luxo para os carros nacionais. O carro não possui câmera de ré, mas só o fato de ter sensor de estacionamento já ajuda a estacionar o carro.

Faróis de milha são item de série nessa versão, muito bom e útil principalmente quando se está em uma estrada com pouca (ou nenhuma) iluminação.

 

2) Impressões ao Dirigir

Ao dirigir o Duster é uma sensação inédita, andei por ruas boas, ruins e péssimas. A suspensão faz muito bem o seu trabalho, não passando qualquer trepidação para dentro do carro. As moedas do console faziam barulho, o carro é muito firme e não se ouve barulho de plástico ou qualquer outro material batendo no carro.

Os porta-objetos são bons, mas não o suficiente, não cabe um smartphone no console central, existe um espaço na parte superior do painel que cabe um celular, mas convenhamos, quem deixaria um celular tomando sol e a vista de bandidos do lado de fora do carro?

Falando em segurança o carro veio sem insulfilm…. isso é ruim para dirigir e pior ainda quando se anda por lugares menos seguros, principalmente porque a central multimídia não desliga a dela, ela fica “desligada” na cor preta/cinza, diferente da Pioneer que desliga realmente a tela o que deixa mais mascarado quando se trafega por lugares pouco seguros.

Amanhã postarei fotos e mais opiniões sobre o carro e minha opinião como passageiro, comportamento e consumo do carro.

Obrigado

Avaliações – Sprint Booster


Boa tarde

Um dos melhores benefícios dos carros modernos é o acelerador eletrônico, sem necessidade do cabo do acelerador, já que existe um sensor ao invés do cabo.

Um dos maiores benefícios deste sistema além da durabilidade está no conforto ao dirigir, já que o sensor é a “prova de burro” e impede mesmo que você tenha o pé pesado, ele tem um delay que atrasa um pouco o comando do pé com a aceleração real.

Bom para todos, ou pelo menos a maioria da população. Não para você que está lendo esse tópico, porque certamente já ouviu falar neste item e gostar de ter o efeito instantâneo a partir do momento em que encosta no pedal do acelerador.

O Sprint Booster deixa o carro mais ágil sem aumentar um pônei de potência, ele é um módulo específico para cada carro (e câmbio) e faz com ele diminua esse delay causado pela configuração original de fábrica. O mais legal deste sistema é que ele é encaixado no pedal do acelerador e é totalmente reversível.

Infelizmente o preço não é o maior dos seus atrativos, fazendo uma cotação o preço da peça gira em torno de R$ 1.200,00 um custo elevado, principalmente porque ele não é um Chip de Potência, ele apenas diminui (não elimina 100%) o delay causado pelo acelerador original do carro.

Recomendado principalmente para carros automáticos, uma vez que para conseguir maior aceleração em carro manual vai depender mais de técnica do que o Sprint Booster – ele ajudará mas não será só ele.

A diferença no 0-100 no carro é de quase 1s, por isso comentei que o investimento é alto para pouco ganho.

Um dos pontos favoráveis do Sprint Booster é que se você possui um carro de boa aceitação no mercado facilmente você irá conseguir vender a peça separadamente.

O Sprint Booster – assim como qualquer outro acessório – não valoriza em nada a venda do carro, em alguns casos só dificulta a venda do carro. O mesmo vale para rodas, barras, suportes, itens de performance em geral.

De uma forma geral, o Sprint Booster faz muita diferença no comportamento do carro, deixa o pedal mais arisco e com certeza trará respostas rápidas na aceleração.

 

Vídeo de demonstração do produto

 

Salão Internacional do Automóvel


Boa noite,

A cada 2 anos ocorre na cidade de São Paulo o famoso Salão Internacional do Automóvel.

O salão é uma vitrine para novos lançamentos, novas tecnologias e tendências do mercado do mundo automotivo. Normalmente grandes lançamentos são revelados e segredos que antes eram revelados aos poucos são demonstrados na prática.

Um dos pontos de destaque do salão além dos carros são as modelos. Claro que ninguém vai pra lá só para ver isso (esperamos).

As gatas do salão estão lá, para todos os gostos, de diferentes raças e cores, acabam com o contraste de quem só vai para o Anhembi somente pensando em carros.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Dia de Piloto


Boa tarde

 

No último sábado, 25 de outubro ocorreu no autódromo de Velo Città 4 eventos e são eles:

  1. FunDay
  2. EvoDay
  3. Marcas e Pilotos
  4. Lancer Cup

Como não poderia ficar de fora dessa, decidi colocar o Lancer na pista para testar o seu máximo desempenho.

Antes de colocar o carro na pista é preciso ter os seguintes cuidados:

  • Pneus
  • Freios
  • Suspensão
  • Arrefecimento do Motor
  • Arrefecimento do Câmbio (Quando Automático)
  • Óleo e Filtro do Motor
  • Fluído de Freio
  • Palhetas

Todos os itens acima são extremamente necessários não só na pista, mas também na rua. Mas na pista a exigência é maior e todo o processo não tolera falhas, principalmente porque você está em uma competição que ninguém entra para perder, ninguém quer ser o último, mesmo que seja contra o relógio (Time Attack), sempre haverá alguém com um tempo melhor e pior do que o seu.

Os Tracks Days são muito comuns nos EUA, se popularizaram no Brasil a cerca de 3 anos, no último ano tivemos uma grande quantidade de eventos e participantes, os custos de participação tornaram-se mais acessíveis, variando de R$ 500,00 até 3mil dependendo do organizador, pista, categoria e data.

Vamos a realidade dos track days para “meros mortais” nos quais eu me encaixo, cujo os valores podem variar entre R$ 500 até R$ 700 (somente a pista), você pode participar de até 3 baterias com 13 voltas cada uma (média).

Lembrando que o seu carro de rua não é um carro de competição, logo você poderá ter alguns problemas e são eles:

Falta de Freio >> Ocorre principalmente quando o freio é utilizado de forma estressada, para reduzir o efeito do fading (fadiga), o que faz o carro ficar praticamente sem freios. O calor é inimigo de qualquer componente do carro, para manter a temperatura em níveis aceitáveis considere o uso de discos frisados, são caros, mas auxiliam o processo de frenagem do carro como um todo.

Trepidação no volante >> Este é mais comum quando você usa a pista depois de muitos outros carros, dependendo do campeonato o piloto não freia nas curvas, entra de lado derrapando, alguns pneus começam a se desgastar na curva e soltam verdadeiras lascas de borracha. Nunca desvie das borrachas, faça sempre o seu caminho e passe por cima delas.

Como o seu pneu estará a uma temperatura muito acima do normal, quando você “atrolepar” o pedaço da borracha ela ficará grudada no seu carro até o final do evento – isso não estraga o pneu do carro, relaxa que no caminho de volta para casa as borrachas se soltaram dos pneus.

Calibragem >> Calibre os pneus com pelo menos 4 libras acima da sua média normal.

Verificar todos os fluídos >> Quanto mais novos, melhor será o rendimento do motor do seu carro, você poderá trocar as marchas no limite de giro (na faixa de velocidade) sem se preocupar se o óleo do carro irá

Palheta >> Nunca se sabe, mas se chover e você não tiver uma plalheta fatalmente seu vidro ficará todo riscado além da visão comprometida.

Pneus >> Se estiver com bolha esqueça, ela vai estourar principalmente por causa da alta temperatura e nível de atrito na pista, esqueça o uso de pneus remold, no novo regulamento dos track days eles não poderão ser usados.

Combustível >> Use Podium e se possível com um frasco de aditivo, evite abastecer no local do evento, principalmente porque o preço do litro costuma ser R$ 4,50.

Placa >> Alguns track days não incluem um tampa placa dianteiro e traseiro, logo parte de você cobrir a placa do seu carro, isso se deve para evitar problemas futuros (seguradoras e venda) comprar um carro que é usado frequentemente em Track Day pode ser um problema. Alguém sabe a placa do Civic Black Bull ? Não porque todos os vídeos a placa está censurada. Carro bem revisado e bem cuidado não perde valor de revenda.

Falando em seguro e garantia, lembre-se que a partir do momento em que você coloca as rodas do carro em um autódromo, não existe mais garantia e nem seguro contra colisão. Você está assumindo um risco para o carro, seguradora nenhuma cobre qualquer eventualidade em pistas de track day. E se ocorrer qualquer falha mecânica ou elétrica a montadora também não irá cobrir os custos em garantia (se descobrir). Dá para descobrir, principalmente se for uma peça com desgaste prematuro por mal uso ou uso excessivo.

 

Pós Corrida

Se mesmo depois de um tempo (uns 80km) a trepidação no pneu continuar, provavelmente você danificou os pneus, as seguintes condições podem danificar o jogo.

  1. Rodar na pista
  2. Zebrado o tempo todo
  3. Pneu já estava seu limite de uso

Quanto ao freio, se ao pisar no freio (acima de 100km/h) o carro trepidar, provavelmente você empenou o disco.

Na revisão de pós corrida, você deverá verificar fluído de freio, óleo de motor e óleo do câmbio. Considerando que todos os itens foram usados ao extremo uma avaliada nos freios também é importante.

Normalmente o óleo do câmbio é trocado, assim como a sangria dos freios, para garantir um aumento da vida útil de todos os componentes do carro.

Um ponto importante é a remoção dos adesivos da competição, toda e qualquer competição os carros são adesivados com números e patrocinadores do evento, por menores que sejam não deixe os adesivos da lataria por mais de 1 semana, principalmente se o estacionamento onde o carro fica durante a semana for descoberto.

Uma dica para remoção da cola do adesivo é a utilização de água e detergente normal, ou então, lavar o carro e depois aplicar uma cera ou massa para polir para remover toda a cola.

Obrigado