Curiosidades: Carros fabricados pela VW


Bom dia

Top 10 carros fabricados pela Volkswagen do Brasil.

1. Gol – 6.900.000

2. Fusca – 3.100.000

3. Kombi – 1.520.000

4. Fox – 1.400.000

5. Voyage – 1.055.000

6. Brasilia – 947.000

7. Parati – 920.000

8. Passat – 877.800

9. Saveiro – 875.900

10. Santana – 538.700

Obrigado

Fusca – Carros feitos artesanalmente


Bom dia

O primeiro lote de FUscas desembarcou no porto de Santos no final de 1950. Eram 30 unidade que logo foram negociadas. Três anos depois , os carros da Volkswagen começaram a ser montados em um pequeno armazém no barrio do Ipiranga, em São Paulo. Todas as peças vinham da Alemanha e o motor era de 1100cm³.

Na década de 1950, foram montados 2.268 Fuscas e 552 Kombis. Mas ainda era pouco. NO início dos anos 50, a frota brasileira era de 528mil veículos, cerca de 1 veículo para cada 100 pessoas. (em 2010 eram 32.492.390 veículos, com a relação de habitantes para cada veículo ficou em 5,9. Em 2009, essa relação era de 6,4 habitantes a cada veículo e em 2000 era de 8,4 habitantes para cada unidade.

Trânsito no Vale do Anhangabaú, São Paulo-SP.

O país também passava por mudanças que o levariam a industrialização. Apesar de a grande maioria da população brasileira ainda morar na zona rural, muita gente começava a migrar para as grandes idades. Com esse cenário, o Brasil estava pronto para criar a sua própria indústria automobolística.

Fonte: Almanaque do Fusca

Obrigado

O que é um Chassi?


Boa tarde,

Recentemente fui em um estacionamento que me pedia na ficha de cadastro o número do chassi, estava com um amigo no estacionamento e surgiu o seguinte questionamento: “- O que é o Chassi?”

O chassi é aestrutura que suporta a máquina, e faz a mesma função que o esquelo dos animais. Os chassis são compostos geralmente de duas vigas de ação que ficam ao longo de todo o veículo e por isso são chamadas longarinas, e são unidas por vigas transversais, chamadas travessas.


Estas travessas são soldadas ou rebitadas nas longarinas, de modo a formar uma estrutura leve e forte. O chassi apóia-se sobre os eixos dianteiros e traseiros das rodas. Algumas vezes, para a aumentar a capacidade de carga do veículo, se usam 2 eixos traseiros, além do dianteiro (como em caminhões).
No caminhão a maior parte do peso da carga fica na carroceria, e esta fica na parte traseira do caminhão, sobrecarregando mais o eixo traseiro.


Por isso, ele é mais reforçado na parte traseira e o eixo traseiro é o mais reforçado do que o eixo dianteiro, tendo geralmente duas rodas de cada lado, Na parte dianteira, ficam apoiados o motor e a cabine, que são mais leves do que a carga.
O chassi é construído com duas longarinas, e seis travessas.
As duas travessas das exremidades são utilizadas como pará-choques. Por isso, qualquer batida mais forte que o veículo sofra é suportada pelo chassi. A travessa central do chassi é usada geralmente como suporte do motor. As longarinas são feitas de chapas de aço carbono moldadas em prensas a frio, isto é, à temperatura da cabine, sem pré-aquecimento.


Deste modo, a estrutura interna do aço se modifica, melhorando a sua resistência mecânica. O chassi deve permanecer rígido, sem torncer ou movimentar-se excessivamente, não permitindo a carroceria se movimente ou deforme.
Para cada chassi produzido pela montadora, existe um número de identificação único, que possui uma regra clara, onde é possível identificar o fabricante, marca, modelo, versão, ano modelo e sequência do carro na linha de montagem.
O número sequencial pode ser uma ótima referência para veículos de coleção, onde a sequência pode definir o nível de raridade do carro, normalmente as primeiras versões da linha acabam tendo um valor sentimental e financeiro mais alto.
Já imaginou ter o primeiro Fusca da linha de montagem?

Embora seja difícil uma vez que os primeiros veículos provavelmente são sucateados, porque existe um nível de maturidade que a linha precisa atingir e fatalmente os primeiros carros apresentaram algum tipo de problema de montagem que será resolvido depois de um lote.

Obrigado

Experiências – Fiat Linea (Continuação)


Boa tarde

Voltando a avaliação e a experiência em guiar o Fiat Linea, com o novo motor eTorq. Na minha opinião o público alvo do carro são os iniciantes na categoria Sedan Médio, para quem busca um carro grande com boa motorização e não se preocupa com status e mecânica robusta. O Linea entra

Após rodar aproximados 1200km de estrada, o carro demonstrou ser uma boa opção de compra para quem não se preocupa com desvalorização do automóvel. O carro é econômico e potente, tem boa retomada e o câmbio manual de 5 marchas atende as expectativas, com relações longas que permite menos trocas de marchas no trânsito caótico de SP.

O torque do motor é algo que precisa ser comentado, grandes ladeiras são são um problema para o grande e pesado Linea, com 1300kg (peso seco), comparando com os concorrentes o New Civic pesa 1260, Civic 2012 (novo) 1286kg  e o Corolla pesa 1245kg.

O acabamento interno com alguns apliques cromados podem se tornar um problema ao longo do tempo, o carro utilizado para escrever este artigo era um exemplar 2011 com 27mil km, e percebi que alguns detalhes como o cromado ao lado do motorista estava simplesmente se desprendendo do carro. O descascado poderia ser causado por mal uso, porém um carro de quase 60mil ter estes detalhes se depreciando em menos de 1 ano é complicado…

O carro possui muita vida a bordo, além dos detalhes cromados, o volante possui boa pegada e acabamento em couro, na versão LX (entrada) o volante não possui os controles de áudio, porém para compensar essa economia porca, a Fiat deixou o popular computador de bordo (presente em quase todo o lineup da marca) como presente para quem não quer gastar muito com a versão Top.

Falando em computador de bordo… sim sr. este é o sr. computador de bordo, com tantas funções que eu não saberia numerar qual é a mais importante (e legal).

  • Distância percorrida
  • KM Média
  • Velocidade Média
  • Consumo Instantâneo
  • Rádio
  • Controle de Velocidade

Pega todos os itens de distância e velocidade e multiplica por 2x porque possui as medições para Trip A e Trip B.

Os ocupantes do banco de trás do carro também não tem do que reclamar, o espaço para os passageiros é generoso, embora o ar condicionado não seja Dual Zone, o carro oferece amplo espaço interno para que não se tenha reclamações de aperto.

Os concorrentes diretos do Linea são: Ford Focus, Toyota Corolla, Honda Civic e o Chevrolet Cruze (substituto do finado Vectra), todos eles estão em uma faixa de preço bem próxima – todos na faixa entre 60 e 70mil Dilmas, a versão que eu dirigi a LX foi substituída esse ano pela Essence, que possui como diferença o freio ABS e rodas aro 15″ de série.

Os freios na versão LX são fracos, como o carro não possui ABS torna a condição de dirigir o carro em alta velocidade um tanto insegura, em alguns momentos da direção “estiquei” um pouco, porém ao diminuir a velocidade do carro, senti que os freios em ABS para um carro deste porte fazem muita falta.

 

Outro detalhe é a ausência de uma porta USB no rádio e controles do rádio no volante, são pequenos “mimos” que dão mais conforto em guiar o carro, quem tem ou teve um carro com controle de áudio no volante e escuta muita música, sabe da facilidade.

O Linea possui 4,5m de comprimento, praticamente 1 metro a mais do que o Logan, Classic e outros sedans pequenos, este 1 metro para quem não está acostumado poderá dar as famosas encostadas em paredes, outros carros e no pior caso em muretas de concreto, o Linea bem que poderia vir de série com o sensor de estacionamento, é barato e com certeza tornará a manobra do carro mais fácil e com com certeza mais segura.

Um detalhe que eu senti falta ao dirigir o Linea é que eu achei muito estranho um carro deste porte não ter um espaço para guardar uma garrafa d’água, infelizmente até o Chevrolet Prisma tem mais porta-trecos espalhados pelo carro do que o Linea, tem um espaço que eu acabei usando para guardar um chiclete e um espaço menor ainda no console central para guardar o celular, se você possui um smartphone, esqueça, deixe no colo ou no bolso.

São pequenos detalhes que tiram um pouco da vida a bordo do Linea, acabam fazendo com que ele fique com a fama de um Punto Sedan e isso provavelmente não é bom para a marca, mesmo porque ele possui outro nome, outra estratégia de marca e outra pegada no volante. Porque a motorização 1.4 e 1.8 (finados) do Punto nunca equipou o Linea que foi (1.9 – finado e 1.4 turbo).

É o famoso carro de tiozão, que só se preocupa em ter ar-condicionado, direção hidráulica (não é elétrica) e o que vier é lucro.

Tem algo que eu não entendi na Fiat, as versões de entrada e top de linha são equipadas com o mesmo motor E.torQ, porém a potência muda,  a versão LX tem  127 cv e 132 cv nas versões HLX e Absolute, – em 2012 a Essence uniu o LX e o HLX –  será que eu se eu levasse o LX na oficina eu poderia liberar a cavalaria represada?

Preços divulgados:

Linea Essence 1.8 16V Flex – R$ 56.700,00
Linea Essence 1.8 16V Flex Dualogic – R$ 59.700,00
Linea Absolute 1.8 16V Flex Dualogic – R$ 67.570,00
Linea T-Jet Turbo 1.4 16v – R$ 71.860,00

 

O tanque de combustível segundo a montadora é de 60l, sinceramente não sei onde está os outros 10, abasteci o carro próximo do reserva e marcou cravados 51l provavelmente uns 55l ou o medidor de combustível do painel não estava marcando corretamente.

Qual é a sua opinião sobre o carro?

Obrigado

Experiências – Fiat Linea


Boa noite,

Este final de semana terei a diversão em guiar um Fiat Linea por 1300km, farei um descritivo do comportamento do carro, qualidades e características dele na cidade e na estrada.

Para quem acompanha o Blog, deve ter lido que eu fiz o mesmo teste, incluindo o mesmo percurso com o Chevrolet Prisma 1.4.

O Linea que estarei guiando é o modelo de entrada LX, equipado com um câmbio manual de 5 velocidades e motor eTorq 1.8 16v, que rende no álcool 127cv de potência é um bom número mas está longe de ser um Civic (com 140cv), mas para o dia-a-dia, custo benefício e equipamentos de série, acaba se tornando uma boa opção de compra no mercado.

O segmento do Linea é sedã médio, existem comparativos em diversos sites e revistas especialistas que o comparam com um C4 Pallas, Vectra, City, Civic, Corolla e se pesquisar bem deve ter algum site que o comparou com o Corsa Classic ou uma Brasília…. O carro é grande, potente e confortável, possui um acabamento bonito e peca em poucos detalhes (calotas, porta luva com plástico barato, ausência de um apoio de braço para o motorista e passageiro do banco da frente) – são pequenos mimos que fariam o carro se destacar ainda mais no quesito conforto e estilo.

Foto retirada do site da revista Quatro Rodas

Não dá para comparar o Linea com uma porrada de carros… ele se encaixa na categoria Sedan Médio, mas o comprador deste carro busca um carro fácil de manter (como o Fiat) e não tão ousado para comprar um Civic ou um Corolla, que dão status para o motorista e são muito mais reparados no trânsito que o Linea. Para ser sincero, quando levei o Linea para casa, no trajeto de 20km que rodei com ele, não vi nenhum outro na rua.

O volume de emplacamentos do Linea é fraco, não emplaca 400 carros por Mês, tanto que nem aparece no ranking da Fenabrave, o último lugar é o Cerato com 415 carros emplacados, Gol em primeiro com 10mil carros e como referência o Civic com 2200 e o Corolla com 2300 unidades emplacadas – base 1ª quinzena de maio de 2012

Por outro lado, deve-se considerar que o Linea, possui um excelente computador de Bordo, que foi herdado de outros carros da marca, o computador de bordo que mede, velocidade média, consumo, distância, tempo real, alerta de velocidade, etc etc etc tudo isso x2 porque possui métricas isoladas até 2 vezes (trip A, trip B, dist A, dist B, etc)

No site da Fiat, o manual do proprietário está disponível para Donwload em formato PDF.

http://www.fiat.com.br/upload/ja-tenho-um-fiat/busca-manual/Linea.pdf

Amanhã estarei publicando um vídeo do carro e fotos tiradas dele mesmo.

Obrigado

Novo Honda City


Boa noite,

Ontem a Honda Automóveis publicou o hotsite do novo Honda City http://www.honda.com.br/hondacity, o hotsite está bem bacana, com um visual agradável e informações completas do Honda City (óbvio rs).

O mais legal fica a encargo da visão 360º logo de cara quando o site é acessado, com essa visão fica mais fácil perceber as diferenças entre as versões, principalmente para quem tem um City.

As diferenças estão espalhadas por todo o Carro, vou publicar abaixo uma foto antes e depois do facelifit

Fonte: Carros IG

Eu particularmente dirigi o carro e gostei muito, excelente motor 1.5, econômico e com grande pegada. Algumas pessoas reclamaram do preço do carro, mas não dá para comparar um carro da Honda com qualquer outro modelo nacional do segmento. Os carros da Honda possuem excelente mecânica, conforto e preço de revenda, ele consegue juntar os 3 itens mais esperados em um carro.

Para muita gente o carro é caro, comparando um Honda com um carro de segmento mais baixo, mas vamos aos detalhes (que fazem a diferença), direção elétrica (não é hidráulica), cinto de 3 pontas para todos os ocupantes, air bag, vidro, trava, alarme e rodas…. são itens que instalados fora da concessionária encarem demais o valor do produto.

Obrigado

 

13/05/2012 – Dia das Mães


Boa tarde.

Vou escrever em poucas palavras uma pequena homenagem para as mães e futuras mães que tem como hábito a leitura deste blog.

Para quem é filho sabe que é difícil expressar com palavras como a palavra “mãe” é importante na vida pessoal e profissional de qualquer pessoa. Então deixo aqui de forma singela um agradecimento em especial para a Minha mãe que sempre me apoia.

Abaixo um vídeo bem divertido de uma mãe que eu não conheço que conseguiu demonstrar de forma bem verdadeira a emoção de dirigir um carro turbo.

O vídeo abaixo publicado pela revista Auto Esporte também é fantástico, colocar as mães dos funcionários da revista em um carro super esportivo é realmente uma emoção ímpar na vida de cada uma.

Confira mais vídeos no canal do youtube da AutoEsporte.

Obrigado

Fusca 1974 – Vermelho


Boa noite,

Fiz um vídeo pequeno para mostrar como está o processo de restauração do Fusca. A mecânica está original e o som da câmera não ajuda muito, parece que está caindo aos pedaços, mas na verdade está muito bom o carro.

Pelo carro ser Dínamo a bateria só é carregada acima dos 1500rpm, logo em marcha lenta o carro não carrega a bateria e a luz do óleo (que é a mesma) acaba ficando acessa. A mecânica é 1500 e está com 90mil km originais.

 

Obrigado

Em breve foi fazer um vídeo do carro andando, mas por farei pequenos vídeos dele na minha garagem.

Obrigado

Dicas para 2 baterias


Boa tarde

 

Vou postar aqui algumas dicas de como eu instalei a segunda bateria no Corsa Classic.

Existe um espaço vago no Corsa, que eu nunca soube para que exatamente ele serve, o forro do porta-malas praticamente esconde essa lateral e o tamanho é grande o suficiente para instalar uma nova bateria. No meu caso eu optei pela Impact de 90ah, faz exatos 2 anos que eu fiz essa instalação e hoje ao tirar as fotos eu me surpreendi ao observar que vazou um pouco da bateria.

Este problema é comum nas Impacts (por isso ela perdeu um pouco da boa fama), mas normalmente ocorre logo no vencimento da bateria (após 6 meses) – deve ser por isso que o período de garantia é pequeno.

Um dos contras em instalar a bateria ali é que é um lugar pouco ventilado e isso poderá aquecer um pouco mais do que o comum a bateria.

Para fixar ela, foi soldado direto na lataria do carro uma cantoneira de ferro (qualquer serralheiro consegue fazer) nas medidas exatas da bateria.

Para prender a bateria, foi usado um cinto de segurança de fusca, essa “fita” é prendida por um parafuso e uma pequena base de ferro.

Tudo muito simples, para retirar a bateria precisa ter uma chave do tipo catraca, devido o pequeno espaço que sobra para trabalhar com  a bateria depois de instalada.

Obrigado