Mega Capacitores


Boa noite

 

Como carregar e como funciona o Mega Capacitor:
O Mega Capacitor é um estabilizador para o som, apenas serve para GRAVE, não para módulos que só vão tocar cornetas ou tweeters.. se você vai usar subwoofer ou woofer, ai poderá usar capacitores, use de preferencia 1Farad para cada 1000wrms, e SEMPRE tenha a bateria nescessaria (indico 100A pra 1000wrms). O capacitor vai estabilizar os picos de graves ou seja, o módulo sempre estará trabalhando na potência máxima, só que tem que cuidar, pois quando a bateria zerar, ela vai zerar mesmo! Por isso é bom ter pelo menos 75A pra 1000wrms.. o certo é 100A.

Ele trabalha em paralelo com a bateria, pois a bateria é lenta para responder aos rápidos pedidos de energia do amplificador, entao ele fará este papel, dando ao amplificador sempre a força que ele precisa, sendo assim o amplificador trabalhará 100%, não forçando a fonte do mesmo, ajudando a prevenir problemas com o amplificador ou a fonte do mesmo.

 

São totalmente lacrados portanto podem ser utilizados em qualquer posição. A única restrição na instalação é não obstruir uma saída de ventilação que previne a explosão do mesmo caso a temperatura interna aumente o que acontece quando utilizado acima da tensão nominal ou ligado invertido.
A tensão de isolamento do capacitor indica que acima dessa tensão o capacitor pode entrar em curto ou explodir. Para uso automotivo, uma tensão de 16 a 20 Volts está bom, acima disso é desperdício e terá uma carga devagar, não sendo eficiente para uso em áudio. Resumindo, um capacitor com isolamento de 250 Volts tende a carregar mais lento que outro com isolamento de 20 Volts, como queremos rapidez, o melhor é o de 20 Volts.

O Mega-capacitor é carregado pela bateria e descarrega corrente para o amplificador nos momentos das batidas das músicas, cessando a batida, o capacitor se carrega rapidamente em milésimos de segundo.
Capacitor não é bateria, é simplemente um acumulador de cargas, portanto, ele vai fornecer elétrons na mesma proporção que foi carregado com elétrons, não é igual a uma bateria que é uma fonte de elétrons por geração química.
Basicamente servem para suprir a necessidade dos amplificadores nas rápidas requisições de corrente elétrica, isso ocorre nas batidas da música, essa necessidade não é suprida pela bateria, pois sua construção não permite que ela responda com uma velocidade compatível com a velocidade de variação da música.

 
Carregando: Junto dele normalmente vem uma lâmpada ou resistor (caso perdê-la, use uma lâmpada de carro 12v qualquer), esta lâmpada servirá como resistor,não deixando passar a tensão total diretamente ao capacitor, e com isso não danifica seus pólos. * Nunca ligue o módulo antes de carregar o capacitor, 1o você deve carregá-lo para depois engatar os fios do amplificador, caso não fizer isto pode danificar o capacitor.

Para carregá-lo, conecte primeiro o Terra (Negativo) que deve ser ligado à lataria do carro, e ao fazer o terra, você deve raspar bem a lata antes de parafusá-lo, para dar o máximo de contato possível entre o cabo e a lata, isto é feito na batera da frente também, sendo assim o carro todo é um terra (negativo).

Após conectar o terra no capacitor, você deve conectar a lâmpada em ponte com o positivo, ou seja, uma perna da lâmpada é conectada no cabo positivo e a outra na entrada positiva do capacitor, ao fazer isto ela vai acender, e o capacitor vai se carregar aos poucos, isto demora de 1 a 5 minutos em média, alguns capacitores fazem barulho ou piscam, depende de cada um, mas o capacitor só vai acender/alertar com 9 a 10 V de carga, após isso falta pouco. O Positivo é bom estar protegido por um Fusível ou um Disjuntor logo na saída da bateria.

Quando ele chegar nos 12V, você deve tirar a lâmpada e rapidamente colocar o cabo positivo na entrada positiva. Agora seu capacitor esta carregado em paralelo com sua bateria, e mostra a voltagem dela (a maioria), caso quiser acompanhar a voltagem use um multimetro nos polos de saida do capacitor, ele vai mostrar como está carregando!

Obs: O capacitor vai se apagar (desligar) automaticamente caso não houver variação de tensão, ou seja, quando o carro estiver desligado por alguns minutos, ou o som parado, ou baixo sem picos, e vai se ligar a cada variação de tensão, ou seja, quando liga o carro ou o som! A maioria dos capacitores funcionam desta maneira.

Importante: Só Agora, depois de carregado, você deve retirar a lâmpada/resistor e parafusar o fio (+) no capacitor, logo após, você deve conectar o amplificador, nas saidas do capacitor, primeiro o negativo depois o positivo, e pronto! Seu capacitor está instalado! Caso um dia você trocar a bateria ou retirar ele, ele irá descarregar aos poucos e será necessário outra carga com a lâmpada antes de conectá-lo ao sistema novamente!

 

Os Mega-capacitores devem ficar a no máximo 50 cm do amplificador e a bitola do fio deve ser o maior possível, geralmente da mesma bitola do fio puxado da bateria para o amplificador. Idem para o fio que vai do capacitor ao terra, de preferência na mesma chapa onde foi fixado o terra do amplificador para evitar loops de corrente de terra.
Vocês podem associar 2 capacitores ou mais. Para isso, eles devem ser ligados em paralelo. Isto é, positivo com positivo e negativo com negativo. Com isso a capacitância será somada, mas a tensão máxima de trabalho se mantêm, pois os capacitores estarão submetidos a uma mesma tensão.

 

Obrigado

Mitsubish Pajero Diesel ou Gasolina???


Boa tarde

 

Conversando com um feliz proprietário de uma Pajero Sport 2008, fiquei impressionado em ver que um carro daquele porte possui um motor Gasolina.

Segundo o proprietário, a versão Gasolina da Pajero possui algumas vantagens no momento da compra.

  1. Preço da compra é menor
  2. Potência do motor é maior
  3. Seguro do carro é mais barato (Alternando de R$ 2.000 a 3.000, dependendo do perfil)
  4. Silêncio interno
Porém nem tudo são flores… um carro com quase 200cv de potência na versão gasolina possui algumas desvantagens quando comparado com o mesmo carro na versão a Diesel, entre eles eu costumo destacar
  1. Abastecimento, mesmo que o Diesel seja mais caro (em alguns lugares) o consumo de combustível sempre será menor quando comparado com a Gasolina
  2. Durabilidade do motor, o Diesel faz com que o motor trabalhe com rotações mais baixas, esta é uma característica do combustível que exige menos rotação do motor para extrair mais torque do mesmo.
O custo de manutenção do motor a Diesel é maior (peças e mão de obra mais cara), o carro precisa ser levado em oficinas especializadas ou concessionárias, embora que o perfil de um cliente de Pajero não deve levar o carro em qualquer lugar….
O Ruído dos motores a Diesel é maior, mas nada exagerado, hoje os novos motores consegue ser bem silenciosos quando isolados adequadamente.
Vou publicar um vídeo técnico de como funciona o motor a Diesel.
Em relação ao seguro, também não existe histórico, mas é certo que os ladrões preferem as picapes a diesel (porque os motores podem ser retirados e usados como geradores), o que encarece o preço da apólice. E, por fim, o IPVA da versão é menor. Não espere atingir grandes velocidades com o Motor a Diesel porque seu funcionamento (mesmo em versões turbo alimentadas) é baixo giro, não excedendo algumas vezes 180km/h… versões a gasolina possuem limitação eletrônica que pode ser facilmente desbloqueada quando reconfigurado o mapa da injeção eletrônica.
De modo geral, além de custar menos na bomba, o diesel ainda rende mais. É possível rodar mais com um litro de diesel do que com um litro de gasolina. O que resulta em maior autonomia. Os motores a diesel são mais robustos e têm mais força nas baixas rotações. Excelente para quem utiliza o carro em viagens longas.
Valor de Revenda. Os carros à diesel têm alta liquidez (vendem rápido) e por isso perdem pouco valor. Os à Gasolina, embalados pela mística de que pick up só se for diesel, ainda tem um público restrito e por isso baixa liquidez.
Para os fans da Pajero, segue um vídeo bem legal do carro (em inglês)
Cronologia do Carro
1992 – Inicio de importação nas versões GLZ e GLS com motores V6 3.0 gasolina e 2.5 a diesel
1994 – Versão GLZ é substituída pela GLX
1995 – Motor turbodiesel 2.8
1998 – Reestilização e motor V6 3.5 gasolina
1999 – Importação do Japão do Pajero Sport com motor 3.0 V6 de 150 cv e do Pajero iO com motor 1.8 16V de 117 cv
2001 – Lançamento da 3ª geração do Pajero Full, estrutura passa a ser monobloco e motores 3.0 e 3.5 gasolina e 2.8 turbodiesel
2002 – Motor 3.2 turbodiesel
2003 – Substituição do Pajero iO importado pelo nacional TR4 com motor 2.0 16V de 131 cv
2004 – Motor V6 3.8 gasolina e versão Sport HPE com motor diesel de 145 cv
2005 – TR4 com versão blindada de fábrica e versão Long Range com tanque de gasolina de 91 litros
2006 – Reestilização nos faróis e lanternas do Pajero TR4 (junho)
2007 – Lançamento da 4ª geração do Pajero Full (maio)
2007 – Pajero Sport passa a ser produzida no Brasil com motor gasolina 3.5 V6 de 200 cv ou turbo diesel 2.5 de 141 cv
2007 – TR4 com motor 2.0 16V Flex (julho)
2008 – TR4 Flex GLS com airbag apenas para o motorista e sem ABS (maio)
2009 – Pajero Sport diesel com motor turbo 2.5 de 150 cv (março)
2009 – Pajero Sport com motor Flex 3.5 24V de 200/205 cv (julho)
2009 – Pajero Dakar com motor diesel 3.0 3.2 16V de 165 cv (julho)
2009 – TR4 reestilizado e com motor mais potente de 135/140 cv (setembro)
2010 – Pajero Full diesel tem potência do motor 3.2 elevada de 165 para 200 cv (novembro)
2011 – Fim de produção da Pajero Sport (março)
2011 – Pajero Dakar passa a ser fabricado no Brasil com motor 3.2 16V turbodiesel de 165 cv (abril)
2011 – Pajero Dakar com motor V6 3.5 Flex de 205 cv, o mesmo da L200 Triton (junho)
Para quem gosta da Toyota Hilyx, segue abaixo um comparativo das versões equivalentes.
Obrigado