Dicas de Manutenção::: Limpeza Automotiva


Boa noite.

Quando chega o momento de vender o carro, uma das diferenças que mais pesam para o comprador é o estado do veículo, principalmente da pintura. Ela não é só uma questão de estética, mas é a responsável pela proteção das chapas da carroceria.

 

O LAVA RÁPIDO

Os melhores são aqueles que não utilizam escovas e sim, água sob (baixa) pressão, pois as escovas geralmente acumulam um pouco de sujeira, que pode arranhar a pintura. Entretanto, a água sob pressão deve ser manuseada com cuidado e o jato d’água não deve ser direcionado para a tomada de ar do motor, para não molhar o filtro de ar.

 

NA HORA DE LAVAR!

 

A lavagem deve ser feita com critério para evitar danos à pintura: com uma mangueira, ou água sob (baixa) pressão, retire a sujeira grossa, principalmente da parte inferior do carro (até a cintura das portas) antes de usar um pano ou esponja; se você não tiver um xampu apropriado, pode usar um sabão neutro (de coco), mas lembre-se de enxaguar bem o veículo, não deixando resíduos que possam produzir manchas sob o sol; uma toalha de papel pode ser usada para secar os vidros, sem alterar a transparência deles; não guarde o carro em uma garagem muito fechada imediatamente após a lavagem, deixe-o um pouco ao ar livre para facilitar a evaporação da água.

 

QUER DAR UM BRILHO? CERA!

 

Para assegurar o brilho original da pintura, alguns fabricantes de veículos aconselham encerar o veículo pelo menos duas vezes ao ano. Ao usar cera polidora, não deixe que ela entre em contato com as superfícies de plástico, pois as manchas são difíceis de serem removidas. Caso isso não aconteça, depois que estiverem secas, utilize uma escova de dentes velha para tirar o esbranquiçado. Lembre também que o polimento não deve ser feito sob sol forte.

 

SEU CARRO ESTA SENDO ATACADO!

 

Para manter a pintura é necessário remover as partículas aparentemente inofensivas, mas que são freqüentemente agressivas, tais como fezes de pássaros, resinas de árvores, insetos mortos, piche de asfalto novo, estrume de animais (vaca, por exemplo) e poluição industrial.

 

AS RODAS

 

Para limpeza das rodas de liga leve, não devem ser usados produtos abrasivos (algumas ceras são), que irão danificar o acabamento superficial. Água e sabão (neutro) são os mais recomendados.

 

NÃO ! AO ÓLEO DE MAMONA!!!

 

Muitos motoristas possuem o hábito de pedir para aplicarem este produto no carro. Ele limpa as partes metálicas mas danifica terrivelmente (ressecando) os componentes de borracha, principalmente da suspensão e os de vedação (portas, capô etc.), danificando-os em pouco tempo.

 

TÁ QUENTE?

 

Não lave o carro depois do mesmo ter ficado parado sob o sol ou com o capô do motor quente: pode ser alterado o brilho da pintura.

 

PINTURA QUEIMADA

 

Pintura fosca, sem brilho e com aparência de ressecada é sinal de que a pintura pode estar queimada. Basicamente são três os fatores que causam a transformação da pintura: agressões externas, como exposição do veículo ao sol durante muito tempo; lavagem do veículo com xampu ou sabão muito forte também podem deixar a pintura queimada; o uso de tíner e/ou solventes de qualidade ruim. A solução é aplicar massa de polir até eliminar o defeito.

 

REPINTURA

 

Ações da natureza e maus tratos podem fazer com que a pintura original apresente alterações na coloração. Isto pode ocasionar mudança de tonalidade na repintura. É natural ter que acertar a tonalidade da cor, mas é importante saber que o modo como se aplica a tinta também influencia a tonalidade da cor.

 

NA PRAIA

 

A salinidade é um dos fatores que mais prejudicam a pintura dos carros. Portanto, ao voltar da praia, peça uma lavagem geral do carro, inclusive por baixo, mas somente com água e sabão neutro sem óleo de mamona.

 

GOTEIRAS

 

Gotas de água que caem de teto de concreto são altamente abrasivas e devem ser retiradas da pintura imediatamente para evitar danos. Jamais deixe seu carro estacionado sob uma delas. Uma dica, se a mancha secou, corte um limão e passe-o em cima. Ajuda a tirar a mancha.

 

ENCHENDO O TANQUE

 

Ao abastecer, caso derrame gasolina (ou álcool) na carroceria, jogue água com sabão neutro para evitar que a pintura fique manchada.

 

É ESPUMA!

 

Não coloque detergente no reservatório do limpador do pára-brisa, pois ele pode manchar a pintura. Use produtos específicos para isso. Seja qual for a cor do seu veículo, tomando esses cuidados ele continuará parecendo 0 km por muito tempo.

 

Abraços

Dicas de Manutenção::: Cuidados com a Carroçaria


Boa noite,

 

É comum encontrarmos nas ruas, carros com a pintura um tanto castigada, alguns por causas naturais, devido a exposição excessiva ao sol e a chuva e outras vezes por contato direto com produtos químicos e corrosivos. Abaixo, estarei listando algumas dicas para manter a funilaria do seu carro a mais nova possível.

As dicas são importantes para manter o brilho original do seu carro por muito mais tempo, evitando gastar com polimentos ou ter que pintar novamente o carro por completo que além de caro, raramente o serviço é bem realizado.

Vamos as dicas…

– Evitar a exposição contínua ao sol, chuva e maresia, uma vez que as consequências são devastadoras: ferrugem, estofos e pintura queimados;
– Evitar a acumulação de impurezas, tais como: lamas, humidade, detritos de árvores e animais na carroçaria, principalmente nos pontos mais sensíveis;
– Lavar e limpar a carroçaria com alguma regularidade – de preferência de semana a semana – evitando as tais situações indesejadas. Preferencialmente deverá usar-se champôo na água para eliminar a sujidade, no Verão. No Inverno é de toda a conveniência que se misture umas gotas de óleo na água, ou em alternativa petróleo, para que a carroçaria fique protegida da chuva e da humidade;
– Lavar e limpar as lamas acumuladas nos pára-lamas do carro, de modo a evitar o seu apodrecimento;
– Em carros mais sensíveis à corrosão, a utilização de óleo nos pontos mais escondidos, como debaixo dos vidros, das portas, borrachas, etc. prevenirá o aparecimento da ferrugem;
– Utilizar cera para brilho e protecção da carroçaria e, de vez em quando, nas viaturas com cores pastel (quer tenham verniz, ou não) e com algum cuidado nas metalizadas, massa de polir fina ou média, para eliminação de riscos superficiais; a massa de polir está ainda indicada para a remoção de riscos, manchas e nódoas em cromados, bem como para limpeza dos vidros dos faróis;
– No interior: utilizar produtos – de preferência de silicone – para proteger o tablier e outros plásticos, que possam ao mesmo tempo remover todo o pó e sujidade; escovar e limpar com água e champôo os estofos e outros tecidos. Atenção à mala, nomeadamente o compartimento da roda sobresselente;
– No exterior: os plásticos também devem estar protegidos com produtos à base de silicone, ou óleo de cedro, uma vez que o clima lhes altera a cor e a textura;
– Vão do motor e acessórios mecânicos: limpeza cuidada com um pano seco ou com gordura de óleo. Evitar as lavagens com água sob pressão, devido à sensibilidade dos componentes eléctricos.

Dicas de Manutenção::: Cuidados com a Mecânica


Boa noite,

Vou postar uma série de tópicos sobre dicas de manutenções, costumo sempre publicar algo a respeito, mas cada vez que eu pesquiso mais conhecimento eu adquiro e por sua vez, mais conteúdo eu irei publicar neste blog. Espero que gostem do tópico abaixo.

Boa leitura!

– Revisões feitas sempre em tempo oportuno, ou seja, de 5.000 em 5.000 Kms, ou de 10.000 em 10.000 Kms, consoante o tipo de óleo, não esquecendo os filtros de ar, gasolina e óleo e troca de velas. De preferência deve optar-se por óleos sintéticos ou semi-sintéticos, uma vez que o mineral não protege o motor tão bem das baixas e das altas temperaturas. Os óleos sintéticos são quimicamente mais estáveis e resistem melhor à variação “frio – quente”. Eles são produzidos artificialmente, destacando-se a pouca tendência de coqueificação em temperaturas altas e o baixo ponto de solidificação em baixas temperaturas. São ainda resistentes a influências químicas. Hoje em dia encontram-se, por vezes, grandes quilometragens em algumas viaturas, dada a evolução que os óleos registaram nos últimos anos. Claro que um utilizador cuidadoso, que faça as revisões a tempo e horas e use um óleo sintético, tem a possibilidade de proteger a vida do seu motor. Um semi-sintético 10W40 será, por ventura, um dos produtos mais equilibrados que se pode usar. Em carros que façam viagens diárias muito curtas ou que circulem em ambientes húmidos ou poeirentos, é aconselhável mudar o óleo mais cedo, devido à humidade que se aloja neste, bem como o filtro de ar, devido às impurezas que se acumulam. O mesmo se aplica à utilização intensa em auto-estrada a alta velocidade, nomeadamente a troca prematura de velas e filtro de ar.
– Verificar com alguma frequência os níveis de óleo do motor e dos travões, bem como o nível de líquido do radiador (50% água destilada e 50% de anticongelante, ou em alternativa anticongelante puro) – que deve ser mudado de vez em quando, devido ao calcário acumulado – e reservatório do limpa – vidros;
– Verificar também o estado das correias do alternador e da distribuição;
– Em carros mais velhos é essencial colocar um produto de limpeza no depósito de combustível, de modo a limpar as vias de admissão. O “Slick 50” é outro produto que minimiza o consumo de óleo, o ruído e as folgas em motores já bastante rodados;
– Para estimar não se deve passar a marca das 3.000 / 3.500 rpm em cada mudança;
– Cuidados com o arranque a frio e com a imobilização dos propulsores: esperar pelo menos um minuto antes de arrancar e não atingir rotações altas. Não se deve desligar logo de seguida o motor, após algumas horas de utilização (cuidados redobrados nas versões turbo-diesel);
– Ao por a trabalhar, carregar no pedal da embraiagem para evitar mais esforço por parte do motor de arranque;
– Para colocar o carro em funcionamento, deverá ter-se ainda em conta o seguinte: rodar meia chave até as luzes do painel de instrumentos estarem completamente apagadas (injecção, óleo, airbags, etc.) e só depois por a trabalhar;
– Evitar o recurso constante à embraiagem e ao travão, bem como aceleradelas desnecessárias e “prego no fundo”;
– Realizar a manutenção programada no manual de instruções do carro.

Obrigado

Dirigindo na Chuva


Boa noite,

 

Esta semana tive o prazer de dirigir o New Fit 1.4 – 16v por um pouco mais de 1000km. Deu para sentir bem o carro, principalmente na rodovia Washington Luiz, onde a paisagem é bem mais animada e viva do que a rodovia Castelo Branco, sentido oeste paulista.

Estamos em épocas de chuvas, algumas bem mais demoradas, que causam estragos em casas e carros por todo Brasil, vou postar aqui algumas dicas de como dirigir mediante uma chuva intensa. Hoje por exemplo, usei todos os recursos do New Fit para não passar por qualquer susto na rodovia – acreditem, a receita de bolo dá certo.

Dirigir em dias de chuva requer muita atenção, pois a visibilidade é reduzida em torno de 40% e a capacidade de manobras também é prejudicada. Muitos motoristas não dão a devida atenção a essas informações e, por isso em dias chuvosos os números de colisões entre veículos aumenta em torno de 30 % em algumas cidades.

 

Siga as dicas abaixo para poder dirigir tranquilo em dias chuvosos:

  • Ande sempre com os faróis ligados;
  • Verifique os limpadores de para brisas e o desembaçador;
  • Trafegue com velocidade 30% a menos que em dias de sol;
  • Mantenha distância do veículo que trafega a sua frente, pois em dias de chuva é necessário o dobro do espaço dos dias ensolarados para frear o carro, seja prudente;
  • Comece a frear a uma distância para manter a segurança, não faça manobras bruscas;
  • Verifique os freios do seu carro, pois o asfalto molhado prejudica a frenagem;
  • Para trafegar em ruas alagadas é importante que a altura da água seja inferior ao cano de escape, engate uma marcha de força primeira ou segunda é vá atravessando a rua onde está alagada, não pare o veiculo. Não é necessário passar ligeiro, só acelere constantemente até atravessar, pois acelerando constantemente vai evitar que a água entre pelo cano de escape;
  • Mantenha os pneus calibrados na pressão correta;
  • Os primeiros 30 minutos de chuva são os mais perigosos, pois a poeira acumulada na rua juntamente com os resíduos de óleos que são jogados pelos carros mais a água da chuva, deixam o asfalto escorregadio.
  • Deixe os vidros uns dois dedos abertos para que tenha alguma circulação de ar. Ligue o ventilador interno ou o ar-condicionado pois o carro deve esfriar por dentro para desembaçar os vidros .

Obrigado